sexta-feira, 6 de novembro de 2015

O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL?



Por Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, 
Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Pós-graduanda em Neuropsicologia
Membro da Academia de Letras de Itabuna



Obra do pintor Russo Vladimir Volegov.
A inteligência é a capacidade de equilibrar Razão e Sentimento. Falamos de Inteligência Emocional porque não existe uma só inteligência, elas são múltiplas.  Gardner (1983) classificou as inteligências em 7 categorias: Matemática, Linguística, Espacial, Musical, Cinestésica, Intrapessoal e Interpessoal. Essas duas últimas, juntas, formam a Inteligência Emocional.  A inteligência emocional pode ser dividida em 4 domínios: conhecer as próprias emoções, saber lidar com elas, reconhecer as emoções dos outros e saber se relacionar com os outros.

São características de quem tem alto coeficiente Emocional (Q.E.) as seguintes capacidades: lidar com frustrações, decifrar adequadamente e responder aos estímulos recebidos, organizar grupos, de negociar soluções, de se relacionar com pessoas e de entender e se relacionar com o outro. As pessoas com alto Q.E. sabem aceitar as singularidades e defeitos dos outros, são pessoas espontâneas que riem muito e conseguem fazer os outros rirem, conservam o otimismo, são persistentes, possuem objetivos e comemoram suas conquistas.

Profissionais com baixo Q.E. são rígidos, têm dificuldades para se adaptar às mudanças, dificuldades também em se relacionar com colegas, normalmente são pessoas que sempre criticam os outros e o fazem de forma inadequada. São pessoas quem não sabem ouvir e sempre culpam os outros quando algo saí errado.

O indivíduo, de forma geral, é sustentado por 4 pilares: Familiar, Social, Profissional e Casal (amoroso) e é necessário que esses pilares estejam fortalecidos para ele consiga crescer, ser bem-sucedido e feliz. Fazer o que se gosta nos leva um Estado de Fluxo, que ocorre quando perdemos a noção do tempo, quando estamos tão envolvidos e sentido prazer em uma atividade que esquecemos as outras coisas, num hibridismo de concentração e relaxamento. É o contrário da preocupação.

O domínio da Inteligência emocional envolve a autoconsciência, que é a capacidade de reconhecer suas próprias emoções, a autogestão, que é a capacidade de gerenciar as emoções identificadas na autoconsciência. Envolve ainda a consciência social e capacidade de administrar de relacionamentos. Assim como o primeiro e o segundo requisito estão relacionados, os dois últimos também estão, pois, a administração das relações dependem do conhecimento e empatia com o outro com quem estamos nos relacionando.

As emoções básicas do ser humano são cinco: tristeza, raiva, medo, alegria e afeto. Adler (1956) pontua que as emoções humanas podem ser divididas em dois grupos: As Conjuntivas que são aquelas que unem as pessoas como afeto e alegria e as Disjuntivas que nos afastam do convício social como tristeza, medo e raiva. As emoções podem ainda ser Inatas (existentes desde o nascimento, influenciadas geneticamente mas acionadas por estímulos circunstanciais do presente)  e as Apreendidas (programas socialmente podendo ser acionadas por estímulos do passado).


REFERÊNCIAS

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, c1994. Publicado originalmente em inglês com o título: The frams of the mind: the Theory of Multiple Intelligences, em 1983.

domingo, 20 de setembro de 2015

O que faz você feliz?

Documentário Happy



Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna



Qual o segredo da felicidade? Quais fatores podem desencadear esse sentimento? Como alcançá-la? Como permanecer no estado de felicidade? Isto é possível? Essas e outras perguntas estão presentes no documentário Happy de 2011. Dirigido por Roko Belic (Genghis Blues, The Batmobile).

Belic decidiu-se fazer o filme por inspiração do seu amigo, o também diretor Tom Shadyac (Ace Ventura, O Professor Aloprado. O Mentiroso, Patch Adams, O Mistério da Libélula, Todo Poderoso, A Volta do Todo Poderoso). Happy levou 6 anos para ser concluído e foi gravado em 14 países diferentes. Entre eles Índia, Dinamarca, Namíbia, Quênia, Escócia, China, Japão, Butão, Estados Unidos e Brasil.

O documentário começa com o morador de uma favela na Índia. Ele transporta pessoas puxando-as a pé no riquixá (uma espécie de carroça). E é esse condutor riquixá quem descreve a dificuldade de seu próprio trabalho: “Alguns passageiros abusam de nós, especialmente os bêbados. Mas eu nunca brigo (...). No verão, meus pés e cabeça queimam no calor do sol. Chega a doer”

Esse depoimento é o ponto de partida para que Belic pudesse apresentar um estudo recente, que demonstra que aquele condutor é tão feliz quanto um americano médio. E em seguida o mesmo motorista de riquixá fala do quanto gosta do barraco no qual mora com sua família. Além do fato de que é bom voltar para casa e ser recebido por seus filhos: “Ao ver o rosto do meu filho, me sinto muito feliz. Sinto que não sou pobre, sinto que sou a pessoa mais rica.”

A felicidade pode melhorar tudo em nossas vidas, ao sermos felizes, temos melhores relacionamentos, melhor desempenho no trabalho, melhor saúde.  Mas o que influencia o grau de felicidade? O documentário explica-nos que 50 % desse grau de felicidade é determinada pelos genes; 10% pelas circunstâncias, emprego, dinheiro, status social, saúde. E 40% pela atividade intencional, isto é, aquilo que você decide fazer te deixa feliz.

Os estudos sobre a felicidade pesquisam a dopamina, um neurotransmissor responsável pelas sensações de prazer. “Conforme a pessoa fica mais velha, a partir da adolescência ela perde sinapses de dopamina e provavelmente neurônios de dopamina [...] Se a perda for severa, a pessoa fica com mal de Parkison”. A ideia, portanto, é buscar experiências que liberem dopamina ou exijam dopamina. Atividades físicas estão entre as melhores opções. Sempre mudando o jeito de fazer.  A mudança é importante. “A variedade é o tempero da vida.”

Mas será que as adversidades tornam as pessoas infelizes? O documentário Happy diz que nem sempre. O importante é a capacidade de resiliência. Na verdade, não existe prazer sem dor, pois o sistema nervoso é um motor diferencial. Ele procura diferenças, contrastes e faz comparações. Um pedaço de pão pode deixar um faminto muito feliz, mas, em linhas gerais, não deixaria alguém que tem sempre comida a sua disposição.

E quanto àquele velho ditado? Dinheiro traz ou não traz felicidade? Bem, o dinheiro pode alterar seu grau de felicidade até o momento em que ele supre suas necessidades básicas. A partir daí, o dinheiro não compra sua felicidade, porque não importa o seu grau de riqueza, você vai se adaptar a ele e desejar sempre mais: “A adaptação hedonista é um dos maiores inimigos da felicidade.” Se, por um lado, o dinheiro pode não fazer assim tanta diferença, há um fator que influência muito: as relações humanas. Deste modo, foi identificado que os indivíduos felizes sempre têm família e amigos próximos.

As pessoas em geral possuem na vida dois tipos de metas: Intrínsecas e Extrínsecas. As extrínsecas focam, obviamente, algo externo às pessoas: recompensas, elogios, dinheiro, boa aparência, sucesso financeiro. As metas intrínsecas estão relacionadas às necessidades psicológicas do indivíduo: crescimento pessoal, ser você mesmo, ter relacionamentos próximos com amigos e familiares, sensação de comunidade, vontade de ajudar o mundo a ser um lugar melhor.

Uma década de estudo mostrou que as pessoas mais orientadas pelas metas extrínsecas, voltadas ao dinheiro, status e imagem, por exemplo, declararam maior insatisfação com a vida. Essas pessoas eram mais deprimidas e mais ansiosas, tinham menos energia no dia a dia. As pessoas orientadas a metas intrínsecas (crescimento pessoal, ser você mesmo, ter relacionamentos próximos com amigos e familiares, por exemplo) eram mais felizes, tinham mais vitalidade, menos depressão, menos ansiedade.

E existe diferença de felicidade de um lugar para outro? Os estudos mostram que o Japão é o país menos feliz entre os países industrializados. Uma sociedade que vive voltada para o estudo e o trabalho. Isso teria sido necessário para propiciar a reconstrução do país no pós-guerra. Hoje, um fenômeno novo é identificado por lá: as pessoas estão morrendo de tanto trabalhar; já existe até uma palavra para isso – “karoshi”.

Outros países colocam a felicidade entre suas prioridades. O Butão (país localizado na Ásia, na Cordilheira do Himalaia, entre a China (ao norte) e a Índia (ao sul)), por exemplo, usa como parâmetro de crescimento, em vez do PIB, a FIB, Felicidade Interna Bruta.

A Dinamarca também aparece no ranking dos mais felizes. Um país conhecido pela igualdade social e alto padrão de vida. Lá todos recebem educação e saúde gratuitas. Muitas pessoas daquele país moram em comunidades de coabitação, que são locais onde várias famílias convivem juntas, cooperam umas com as outras em diversas atividades e se ajudam no que precisa. Uma experiência que reforça a importância das relações humanas.

Ter religião ou sentimentos espirituais também é benéfico, porque isso conecta as pessoas entre si e as conecta ao universo, algo maior que elas. No entanto, esse princípio não se aplica às religiões radicais, que alimentam o ódio, utilizando-se de ideias fundamentalistas.

Numa sociedade que estimula a competição, os estudos mostram que o ser humano é programado para se sentir bem quando ajuda o outro, pois cooperação gera sinais de dopamina. E o documentário Happy mostra que quando ajudamos, mudamos o foco de “O que eu não tenho” para “O que eu tenho para dar”. Em Happy, a sabedoria de diversas culturas é apresentada, junto com o resultado de estudos e opiniões de especialistas.

O documentário Happy tem duração de 75 minutos e faz você refletir sobre a sua própria felicidade. O que você faz é por você mesmo ou só pelas aparências? Quanta importância você dá às conquistas matérias? Você pratica gratidão, compaixão, carinho, amor, altruísmo?

Happy faz você se questionar sobre o que realmente importa na vida e acima de tudo mostra que a felicidade não pode ser atingida sozinha. Ou como bem cantou Tom Jobim (“Wave”): “Vou te contar / Os olhos já não podem ver / Coisas que só o coração pode entender / Fundamental é mesmo o amor / É impossível ser feliz sozinho”.

Enfim, amar e ser amado, apoiar e ser apoiado, cuidar e ser cuidado, eis o que faz da vida uma experiência prazerosa e gratificante.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

NARCOS (2015)


 Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna





A série gira em torno do traficante colombiano Pablo Escobar retratando sua vida desde que ele era apenas um contrabandista até se tornar um dos homens mais ricos do mundo e depois um dos mais procurados. A história é narrada pelo agente da Narcóticos Stephen Murphy, um policial que está cansado de correr atrás de vendedores de cocaína em Miami e, após ter seu parceiro assassinado, resolve ir para Colômbia para combater o problema na origem.

A série mostra um embate de forças, entre o narcotráfico, a polícia colombiana e a intervenção americana. O traficante Pablo Escobar chegou a comandar 80% do comércio mundial de cocaína e em 1987 foi eleito pela revista Forbes o sétimo homem mais rico do mundo.

Escobar subornava policiais, juízes e políticos. Quem não o obedecia por dinheiro, o fazia por intimidação. Pablo tinha helicópteros, lanchas, fazendas, centenas de imóveis,. Financiava times de futebol e construía casas populares. Pablo queria ser visto como Robin Hood.

Pablo comandou o Cartel de Medellín, uma rede de traficantes de drogas muito organizada que operava em diversos países, como Bolívia, Peru, Canadá, Estados Unidos, Horduras e países da Europa . Estima-se que o cartel chegou a faturar cerca de 60 milhões dólares por dia.

Apesar te tanto dinheiro e poder, a vaidade de Escobar o levaria a ruína. Pablo Escobar sonhava em se tornar presidente da república. Começou a aparecer na mídia, dava muitas entrevistas e tanta visibilidade levou a investigação da origem da sua fortuna.

Quanto mais se sentia acuado, mais violento Pablo se tornava. Enquanto era investigado e perseguido pela polícia,  ele liderou uma verdadeira guerra na Colômbia. Ele enviava cartas para as pessoas ameaçando-as caso não fizessem o que ele queria. O traficante mais poderoso do mundo corrompia, intimidava e mandava executar todos que se opunham a ele. Escobar explodiu um avião da avianca e prédio de segurança de Bogotá, ambos em 1989. É acusado de mandar executar metade dos juízes da corte colombiana. Ele usava a expressão Plata o Plomo, ("dinheiro ou chumbo") para dizer que ou a pessoa o obedecia e recebia dinheiro, ou lhe desobedecia, e morreria.

Agora me responda: O que esperar de uma série com um personagem como esse, com a direção de José Padilha e interpretação de Wagner Moura? O resultado é simplesmente fantástico! Os episódios são longos, duram mais de uma hora, mas você simplesmente não consegue desgrudar os olhos da tela da TV nem deixar de assistir o episódio seguinte.

A série foi produzida pela Netflix, que disponibilizou a primeira temporada com 10 episódios toda de uma vez no dia 28 de agosto. E a experiência de assistir a temporada inteira sem pausas aumenta mais ainda nosso envolvimento com a história.

Claro que ia dar o que falar uma série americana, gravada na colômbia, dirigida por um brasileiro. Mas, polêmico mesmo, seria o fato de um ator brasileiro e não um colombiano ser escolhido para interpretar Escobar. Qualquer um seria massacrado nessa posição. Qualquer um menos Wagner Moura, que tem carisma e competência fora do comum. Para interpretar Pablo Escobar, Wagner Moura engordou 20 kg e foi Morar na Colômbia meses antes de começar as gravações, com o objetivo de melhorar seu espanhol. Em Narcos a interpretação de Wagner Moura simplesmente memorável.

Outros destaques da série são os atores: Boyd Holbrook como o agente da DEA, Sthephen Murphy e Pedro Pascal como Javier Peña seu parceiro e Maurice Compte como Horatio Carrillo.

Figurinos, música, cenários e objetos recriam com excelência a Colômbia das décadas de 70 e 80. Narcos tem classificação de 16 anos e eu sugiro que sigam a classificação. A narrativa é a mesma de Tropa de Elite, em primeira pessoa, antecipando os acontecimentos.

Narcos é uma série inteligente, cheia de ação, intrigas e reviravoltas. Com personagens fortes e narrativa pulsante, vai ser difícil não arrebatar você até o último episódio.







La Delicatesse- A Delicadeza do Amor (2011)





Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna


La Delicatesse. Em português A Delicadeza do Amor. Filme francês de 2011, Baseado no livro de David Foenkinos, que também roteirizou e dirigiu o longa, ao lado de seu irmão, Stéphane Foenkinos,

Nathalie (Audrey Tautou) encontra o amor da sua vida ainda jovem. Nathalie se casa com François, consegue um emprego.  Ela e François vivem num pequeno apartamento e são felizes.  Um dia François sai para se exercitar enquanto Nathalie fica lendo no sofá. François é atropelado, sofre um traumatismo craniano e morre.

Desse momento em diante é como se toda alegria tivesse esvaído da vida da jovem. Nathalie se isola por um tempo e nos anos seguintes mergulha no trabalho. Seu patrão é apaixonado por ela mas esta se esquiva sempre. Do patrão e de qualquer outro homem. Ela não tem vida social.

Com tanta dedicação ao trabalho, ela passa a ocupar um cargo de chefia. Um dia um dos membros da sua equipe entra na sua sala e ela o beija. Assim, do nada. Markus é sueco, é mais velho, meio careca e desajeitado.  Markus não entende nada do gesto de Nathalie, nem a própria Nathalie entende o que fez. Diz que estava num momento de devaneio quando ele entrou.  Mas depois desse beijo inesperado Markus não consegue pensar em mais nada que não seja sua chefe.

Será que ele teria chances com a bela e inatingível viúva? Essa improvável relação começa a ser construída no dia a dia, com pequenos gestos, telefonemas breves, visitas as salas um do outro. Ele a acha superior a ele, então tenta evitá-la para não sofrer. Nathalie sente falta daquele homem sensível, doce e engraçado.

O filme foge dos estereótipos que costumamos ver. Nosso mocinho não é um homem forte e bonito que aparece para resgatar Nathalie da tristeza. Não, ele é feioso, inseguro, tímido. Nathalie é só uma mulher triste que trabalha muito. Markus nunca avança o sinal, nunca impõe nada, ele só aceita o que aquela mulher machucada tem para lhe dar. Numa das cenas eles vão para o apartamento de Nathalie e simplesmente conversam, conversam, até adormecerem, um em casa só.

La Delicatesse é um drama contido, despretensioso, as vezes nem parece filme. É a história de um amor construído lentamente com sinceridade, companheirismo, paciência, carinho e acima de tudo com muita delicadeza.





quinta-feira, 10 de setembro de 2015

DEPENDÊNCIA QUÍMICA- ANÁLISE DE CHRISTIANE F.

DEPENDÊNCIA QUÍMICA
ANÁLISE DE CHRISTIANE F.

UESC- Universidade Estadual de Santa Cruz


Autora: 
Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna




Este trabalho aborda a questão da dependência química por se tratar de um grave problema para tanto para o sujeito quanto para toda a sociedade. Segundo I e II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas, em 2005 22,8% da população declarou ter experimentado drogas ilícitas. Este trabalho será realizado com base do campo da psicanálise e da saúde mental fazendo analogia ao filme “Christiane F. 13 anos, Drogada e Prostituída” e também ao livro homônimo. O trabalho inicia na temática das substâncias psicoativas, seu consumo e seus riscos, pela teoria psicanalítica e em seguida ilustra os dois primeiros pontos com a história de Christiane F.

2 SOBRE SUBSTÃNCIAS PSICOATIVAS, TEORIA PSICANALÍTICA E CHRISTIANE F.


2.1 Substâncias Psicoativas.

Substâncias Psicoativas são substâncias químicas que agem no sistema nervoso central, alterando a função cerebral e modificando o seu funcionamento e acarretando alterações físicas, psíquicas e comportamentais. As substâncias psicoativas podem levar a mudança na percepção da realidade, alterações de humor e de consciência.
As substâncias psicotrópicas podem ser administradas via oral, transdérmica (aplicação nas mucosas ou na pele); inalada (ou pulmonar), injetável (subcutânea, intramuscular e endovenosa). As origens podem ser naturais, semi-sintéticas e sintéticas e elas ainda se classificam em depressoras como o álcool e os opióides (ópio, morfina, heroína, entre outras), as estimulantes como cocaína, crack, anfetaminas, anorexígenos (moderadores do apetite), ecstasy, nicotina e  cafeína. Também as perturbadoras como maconha, haxixe e LSD.
Devido à complexidade do fenômeno do uso de drogas existem diversos modelos explicativos dos transtornos. De acordo com Perrenoud e Ribeiro (2011, p. 43): “Os modelos etiológicos sobre dependência de substâncias psicoativas tentam [...] explicar os motivos dos primeiros episódios de consumo, da permanência do uso ocasional, da manutenção do uso, do surgimento de padrões de uso nocivo e, por fim, as razões para o surgimento da dependência”.
O modelo moral foi a primeira tentativa da sociedade contemporânea para compreender e controlar o uso de substâncias psicoativas. Enfatiza a escolha pessoal como o fator do usuário e o abuso resultaria da necessidade de violação das normas sociais. No modelo da temperança (século XVIII) classifica o de substância como uma doença assim como no modelo da degenerescência neurológica (século XIX). No modelo do aconselhamento confrontativo ou modelo Synanon (1960) o usuário de drogas é percebido como indivíduo com um transtorno de personalidade. Os modelos naturais pressupõem uma tendência inativa e universal do consumo de SPA. Os modelos biológicos sugerem uma predisposição biológica para a instalação do uso indevido de substâncias psicoativas. Nos modelos sociais a ênfase é nos ambientes culturais e relações sociais. Os modelos espirituais têm a espiritualidade como influência positiva à recuperação dos dependentes. Os modelos de saúde pública correlacionam a interação entrem sujeito, ambiente e substância psicoativa. O modelo ecletismo informado assim como o modelo de saúde pública, busca articular fatores biológicos, psicológicos, sociais e farmacológicos e ainda a necessidade de uma abordagem específica para casa sujeito. Esse modelo reconhece o valor de todas as outros modelos. Os modelos psicológicos tem o foco no indivíduo e nos motivos que levaram ao consumo de drogas através da Teoria Psicanalítica (uso de SPA como sintoma; da teoria Comportamental (o uso de SPA consiste em um comportamento aprendido ou condicionado) e da teoria Sistêmica ( o uso de SPA e sua relação com um sistema social mais amplo. (PERRENOUD, L.O.; RIBEIRO, 2011)
  

2.2 Teoria Psicanalítica

Em relação a dependência química Freud (1929-1930) enfatiza a função das drogas no alívio da angustia pelas renúncias impostas pela civilização. É um atenuante de um sofrimento e ao mesmo a busca de prazer uma vez que seres humanos estão sempre em busca da felicidade. Freud coloca que os métodos mais interessantes para a prevenção do sofrimento são os que tendem a modificar o nosso organismo pois a presença de substâncias estranhas ao corpo, no sangue e nos tecidos, modifica as funções físicas, psíquicas e comportamentais provocando sensações de prazer imediatas.  Freud relaciona ainda a assinala o uso de drogas ao processo e castração ou ainda uma substituição das pulsões sexuais.. (Freud, 1897, 1898, 1905a, 1905b, 1905c, 1917).  Le Poulichet (1987) aborda a teoria freudiana do alívio da angústia e a substituição das pulsões proposta por Freud questionando os motivos de alguns indivíduos viciarem-se e outros não.
Já Lacan recorre a Marx e seu conceito de mais -valia[1] justificando que é pela renúncia ao gozo que ele surge. O objeto a, se dá em torno do mais gozar. Lacan também retoma a Freud e a sua teoria de castração, para ele é a castração que organiza o discurso do mestre, tanto na realidade psíquica quanto na realidade social e a mais-valia se dá em torno desse discurso e posteriormente também se torna o discurso capitalista. No processo de dependência química o objeto de gozo não é metaforizado, não é governado pelo significante destarte o toxicômano fica escravo da droga, em busca desse mais gozar infinito.

2.3 Christiane F. 13 anos drogada e prostituída

O filme e o livro Christiane F. 13 anos drogada e prostituída relata a vida da adolescente em detalhes e transmite a realidade do mundo das drogas. O filme se passa na cidade de Berlim onde Christiane mora com sua mãe e irmã menor num apartamento da cidade, a época é o pós-guerra, escrito em 1978. O livro retoma a infância da menina que cresceu num bairro pobre em meio a um ambiente violento. Em um dos trechos livro sobre sua infância Christiane revela a relação que tinha com seu pai.

Graças aos meus bichos, eu seria bastante feliz se as coisas não andassem de mal a pior com meu pai. Minha mãe trabalhava. Ele ficava em casa. O projeto da agência de matrimônios foi por água abaixo. Meu pai esperava que alguém lhe propusesse um trabalho à sua altura. E suas explosões de raiva eram cada vez mais frequentes. À noite, quando voltava do seu trabalho, minha mãe me ajudava a fazer os deveres da escola. Durante certo tempo, tive dificuldades em distinguir a letra H da letra K. Minha mãe me explicava com uma santa paciência, mas eu mal conseguia ouvi-la, pois sentia que a raiva de meu pai aumentava. Já sabia o que iria acontecer: ele iria até a cozinha, pegaria uma vassoura e me bateria.

Ainda sobre a violência do pai, em outro trecho Christiane narra:

Todas as noites perguntava, com muito jeito, ao meu pai se ele iria sair. Ele saía sempre, e nós, as três mulheres, respirávamos  aliviadas. Essas noites eram maravilhosamente tranquilas. É verdade que, quando ele voltava, aconteciam coisas que estragavam tudo. Na maioria das vezes, ele voltava bêbado. Qualquer pretexto, brinquedos ou roupa fora do lugar, motivava uma explosão. Uma das expressões favoritas de meu pai era que o importante na vida é ter ordem. E se, voltando bem no meio da noite, ele pusesse na cabeça que as minhas coisas estavam em desordem, tirava-me da cama e me dava uma surra. E depois era a vez de minha irmãzinha. Em seguida, jogava tudo no chão e nos dava cinco minutos para arrumar tudo de forma impecável. Em geral não conseguíamos fazê-lo a tempo, e chovia nova pancadaria.

Cansada da violência do marido com as filhas e com ela própria a mãe de Christiane se divorcia e, para compensar a violência do ex marido, ela passa a dar liberdade demais a filha. Ela se justifica sua atitude como uma tentativa de quebrar com um ciclo familiar de repressão: “Eu não queria pressionar Christiane. Eu mesma tinha sofrido muito com isso. Tive um pai extremamente severo.” 
Ao 13 anos Crhistine a é fascinada para conhecer a "Sound", uma nova discoteca que faz muito sucesso na cidade .Apesar de menor de idade ela pede a sua amiga para leva-la. Na Sound Christiane conhece e se apaixona por Detlev e através dele e de seus amigos se aproxima cada vez mais do mundo das drogas[2]. O primeiro contato de Crhistine é com as drogas leves como o álcool, o tabaco e a maconha. Um dia, no show de David Bowie Christiane, ao emprestar dinheiro para seus amigos comprarem heroína[3], a nova droga que entrava em cena, ela também experimenta a droga, através do processo de inalação. Buscando um maior efeito da droga, pouco tempo depois Christiane começa a injeta a heroína pela primeira vez numa viagem sem volta. A história de Christiane mostra claramente a sua passagem pelas as etapas Uso – Abuso- Dependência. Do “uso” esporádico de drogas mais leves ela passa ao “abuso” da heroína se injetando cada vez mais frequentemente até chegar ao estágio da “dependência” marcado por diversas crises.  Em um dos trechos do livro a mãe de Christiane F. reconhece que foi negligente com a filha:

Como pude não perceber o que estava acontecendo com Christiane? Por diversas vezes fiz esta pergunta a mim mesma. A resposta é simples, mas tive que conversar com vários pais para suportála: eu não queria reconhecer que minha filha tinha se tornado uma viciada. É simples. Enquanto pude, fechei os olhos para não enxergar.


Christiane, cada vez mais dependente da heroína e precisando de uma quantidade cada vez maior começa a se prostituir pra sustentar seu vício[4]. No início escolhia os clientes com quem faria programa e que se limitava a masturbá-los ou praticar sexo oral, com a crescente necessidade de injetar heroína cada vez mais Christiane passou a aceitar qualquer cliente e a praticar sexo dentro dos carros. Ficar sem a heroína era profundamente angustiante, ela relata uma de suas crises:

Quando minha mãe saiu para trabalhar, fui olhar-me no espelho. Pela primeira vez vi meus olhos em crise, numa pior mesmo! Eram só pupilas. Negros e tristes. Sem nenhuma expressão. Tive calor e fui molhar o rosto. Senti frio e mergulhei num banho  quentíssimo, de onde não ousava sair, pois fazia muito frio fora. Acrescentava água quente sem parar. Precisava fazer passar o tempo até o meio-dia. De manhã não havia ninguém na Estação Zoo: era impossível encontrar um cliente ou alguém que nos desse heroína. De manhã, ninguém tinha, e além do mais, estava cada vez mais difícil que alguém a passasse.

Devido a feridas provocadas por tantas picadas Christiane e seu namorado chegaram ao ponto de se injetar na veia do pescoço, as seringas eram compartilhadas no grupo sem nenhum cuidado[5]. Christiane passou a ter dificuldades para se alimentar, emagreceu, viu seus amigos morrerem e passou por diversas crises de abstinência.
Na falta da heroína Christiane e seus amigos usavam qualquer substãncia entorpecente, perdendo, muitas vezes a noção da realidade, num quadro típico de psicose induzida por drogas.

Á tarde, todos os diabos se libertaram. Tomamos pílulas aos montes, acompanhados de copos cheios de vinho. Apoiei minhas pernas no armário. Mas elas grudaram no armário e não havia maneira de soltá-las. Rolei no chão, mas meus pés ficaram. Tinha frio, tremia e aquela sujeira de suor fedia horrivelmente. Devia ser o veneno que saía por todos os poros. Tinha a verdadeira impressão de estar em pleno exorcismo.


Encontramos o quadro de alucinação ainda em outro trecho:

Lá pelas seis horas decidi voltar para casa. Já na cama quase tive um freak out (Em inglês no original: "alucinação". (N. do E.)), pela primeira vez na minha vida. Na parede eu tinha um pôster representando uma negra fumando um baseado. No canto inferior direito havia uma pequena mancha azul, que ia se transformando numa máscara deformada, num verdadeiro Frankenstein.

Ela se prostituiu por quase dois anos quando foi presa e acusada de tráfico e consumo de drogas. Durante seu julgamento num tribunal de infância e juventude, os jornalistas Kai Hermann e Horst Hieck ficaram fascinados com seu depoimento sobre o vício e fizeram uma entrevista com ela que acabou se tornando o famoso livro Wir Kinder vom Bahnhof Zoo. O livro acabou se tornando um best seller em vários países, inclusive no Brasil com o titulo Eu, Christiane F., 13 anos drogada e prostituída. Com o sucesso do livro, Christiane ficou mundialmente famosa e garantiu que estava “limpa” das drogas. Em 1983, no entanto, numa entrevista concedida a revista alemã Stern ela confessou que nunca havia realmente largado as drogas.
Atualmente Cristiane tem hepatite C e problemas circulatórios. Os médicos, além de afirmarem que, devido a eles, ela pode ter uma crise súbita, dizem também que seu estado é irreversível. Muitos amigos viciados morreram. Seu ex-namorado Detlef  é casa, tem dois filhos e  trabalha como motorista de ônibus em Berli. Ele afirma que se livrou das drogas em 1980. Em 2008, aos 46 anos de idade Christiane F. voltou a tomar drogas pesadas. Seu filho vive atualmente numa instituição para menores nas redondezas de Berlim.
  

REFERÊNCIAS

Alves, Vânia Sampaio. Modelo de atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas no. Contexto do Centro de Atenção Psicossocial – CAPSad
Grande Enciclopédia Larousse Cultural, nº 10, Editora Nova Cultural) determinada. O Ego, assim, é derrotado pelo Id e, portanto, arrancado da realidade.
FREUD, Sigmund. O mal estar da cultura  (1929 [1930] ). In: Œuvres Complètes, Paris: PUF, 1994.
LE POULICHET, Sylvie. Toxicomanies et psychanalyse – Les narcoses du désir. Paris: PUF, 1987.
I e II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil
PERRENOUD, L.O.; RIBEIRO, M. Etiologia dos transtornos relacionados ao uso de substâncias psicoativas. In: DIEHL, A.; CORDEIRO, D.C.; LARANJEIRA, R. (Orgs.). Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 43-48





[1] Mais-valia é a diferença entre o valor criado pela utilização da força de trabalho e o valor dessa força de trabalho. O valor gerado pela força de trabalho desdobra-se em duas componentes: uma parte corresponde ao valor da própria força de trabalho, parcela reposta pelo salário pago; outra parte constitui o valor excedente ou mais-valia, que vai ser apropriado sobre a forma de lucro. A mais-valia corresponde portanto ao valor do sobretrabalho, ou seja, do trabalho não pago realizado pelo trabalhador para o capitalista e que constitui a base da repartição de rendimentos e da acumulação de capital (Fonte BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales ANTECEDENTES DO CAPITALISMO- Carlos Gomes.)
[2] Modelos Sociais – Ênfase nos ambientes culturais e relações sociais. Pressupõe que interações sociais são agentes capazes de moldar hábitos (reforçadores sociais), incluindo o de consumo de SPAs.

[3] A Heroína faz parte do grupo dos opionóide, uma droga depressoras que promovem uma redução das atividades cerebrais e das funções orgânicas de modo geral. Segundo o médico Drazio Varela: A heroína vicia mais que a cocaína, maconha e as anfetaminas; só perde para a nicotina. As primeiras doses deixam um bem estar desconhecido, profundo e duradouro, sensação cada vez mais fugaz à medida que se instala a tolerância causada pelo uso repetitivo.

[4] Tolerância – expressa pela necessidade de doses cada vez maiores de uma substância para atingir o efeito desejado;
[5] Segundo o Manual de riscos e danos relacionados ao consumo de substâncias psicoativas o consumo de drogas pode levar a: ráticas sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas e agulhas e exposição a infecções de transmissão sexual e parenteral, a exemplo do HIV, hepatites B e C, HTLV e sífilis;

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Still Alice (2014)

 Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna


Alice tem 50 anos, é uma renomada professora de linguística e autora de diversos livros. É casada e tem três filhos. Uma mulher firme, bonita, inteligente e bem-sucedida, cujo mundo vai desmoronar no decorrer da trama.

Tudo começa quando, em uma palestra, ela tem um branco e não consegue lembrar uma palavra. Pouco tempo depois ela sai para uma corrida e se perde. Preocupada, Alice vai ao médico e após exames é diagnosticada com Alzheimer precoce. Será que você consegue imaginar como essa mulher ativa, no auge de sua carreira se sente ao saber que perderá todas as suas memórias e sua capacidades?

O filme mostra a progressão da doença, os pequenos esquecimentos de Élice, o assunto da aula, a receita de um pudim, a namorada do seu filho... E depois os grandes esquecimentos, como quem é sua própria sua filha.

Quase sempre nos deparamos com o mal de Alzheimer pelo ponto de vista de terceiros, pelo ponto de vista de quem acompanha um parente piorando dia após dia. Mas nesse filme acompanhamos a dor pelo pelo ângulo de quem está perdendo o contato com o mundo. E é desesperador imaginar-se na situação de Élice, perdendo suas suas lembras, seu raciocínio, perdendo a si mesma.

A cena mais bela do filme é um discurso que ela faz em um congresso sobre Alzheime, suas memórias estão se esvaindo, ela precisa usar um marcador de texto para saber quais palavras do seu discurso ela já leu.  Abaixo segue  o discurso 

“A poetisa Elisabeth Bishop escreveu: ‘A arte de perder não é nenhum mistério; tantas coisas contêm em si o acidente de perdê-las, que perder não é nada sério’. Eu não sou uma poetisa. Sou uma pessoa vivendo no estágio inicial de Alzheimer. E assim sendo, estou aprendendo a arte de perder todos os dias. Perdendo meus modos, perdendo objetos, perdendo sono e, acima de tudo, perdendo memórias.

Toda a minha vida eu acumulei lembranças. Elas se tornaram meus bens mais preciosos. A noite que conheci meu marido, a primeira vez que segurei meu livro em minhas mãos, ter filhos, fazer amigos, viajar pelo mundo. Tudo que acumulei na vida, tudo que trabalhei tanto para conquistar, agora tudo isso está sendo levado embora. Como podem imaginar, ou como vocês sabem, isso é o inferno. Mas fica pior.

Quem nos leva a sério quando estamos tão diferentes do que éramos? Nosso comportamento estranho e fala confusa mudam a percepção que os outros têm de nós e a nossa percepção de nós mesmos. Tornamo-nos ridículos. Incapazes. Cômicos. Mas isso não é quem nós somos. Isso é a nossa doença. E como qualquer doença, tem uma causa, uma progressão, e pode ter uma cura. Meu maior desejo é que meus filhos, nossos filhos, a próxima geração não tenha que enfrentar o que estou enfrentando. Mas, por enquanto, ainda estou viva. Eu sei que estou viva. Tenho pessoas que amo profundamente, tenho coisas que quero fazer com a minha vida. Eu fui dura comigo mesma por não ser capaz de lembrar das coisas. Mas ainda tenho momentos de pura felicidade. E, por favor, não pensem que estou sofrendo. Não estou sofrendo. Estou lutando. Lutando para fazer parte das coisas, para continuar conectada com quem eu fui um dia. 

Então, viva o momento’, é o que digo para mim mesma. É tudo que posso fazer. Viver o momento. E não me culpar tanto por dominar a arte de perder. Uma coisa que vou tentar guardar é a memória de falar aqui hoje. Irá embora, eu sei que irá. Talvez possa desaparecer amanhã. Mas significa muito estar falando aqui hoje. Como meu antigo eu, ambicioso, que era tão fascinado em comunicação. Obrigada por essa oportunidade. Significa muito para mim. "

Maravilhosa interpretação de Julianne Moore, que ganhou merecidamente o Globo de Ouro, BAFTA o Oscar... no total quase 30 prêmios por sua atuação.

Still Alice  é um filme para assistir, para pensar e para mudar nosso modo de ver o mal de Alzhaimer. O filme esbanja sensibilidade. Vale a pena ver essa obra! 



Citações, Frases, Quotes

“Quando eu era bem nova, na segunda série, minha professora falou que borboletas não vivem muito, algo em torno de um mês, e fiquei tão chateada. Fui para casa e contei para a mamãe. E ela disse: ‘É verdade. Mas elas tem uma linda vida’. E isso me faz pensar na vida da minha mãe, na da minha irmã. E, de certa forma, na minha vida.”
(Still Alice)








quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Livro: FEIOS (2005)


Raquel Rocha
Economista, Comunicóloga, Psicanalista e Especialista em Saúde Mental
Membro da Academia de Letras de Itabuna



Uglies de Scott Westerfeld, lançando em 2005. Em um futuro distante, a sociedade se divide entre Feios e Perfeitos. E o “Normal” é Feio.

Cada feio quando completa 16 anos ganha uma cirurgia para se tornar “perfeitos”. Isto é, esticar os ossos, modificar a visão tornando-a perfeita. Os perfeitos têm olhos grandes e bocas carnudas, pele macia como de um bebê e visão perfeita.

Tally Youngblood, que tem 15 anos, está ansiosa para sua cirurgia. Peris, seu melhor amigo, realizou o procedimento e se mudou de Vila Feia para Nova Perfeição. Numa tentativa de visita clandestina à Nova Pereição, onde moram os perfeitos, Tally é descoberta e ao fugir, encontra uma outra feia chamada Shai, que também estava bisbilhotando por lá. Elas se tornam amigas e descobrem que ambas se tornarão “Perfeitas” no mesmo dia.

Só que Shai não está tão animada para se tornar perfeita e resolve fugir para a Fumaça.
A Fumaça é um lugar onde um grupo de pessoas que decidem viver como feios, realizando trabalhos manuais. Tally se nega a ir, mas Shai deixa pistas de como encontrá-la. No tão esperado dia da cirurgia de Tally, colocam uma condição para Tally: ela só poderia fazer a cirurgia e se tornar perfeita se encontrasse a Fumaça e revela para eles.

O livro mostra a beleza como prioridade absoluta. A história se passa em um futuro distante, mas a gente se pergunta: Será que já não estamos vivendo um pouco assim? Essa obsessão da sociedade pela beleza, pelas cirurgias, pelo botox, pelos preenchimentos.

E aí vão ficando todos cada vez mais iguais, lábios carnudos, seios volumosos, sobrancelhas arqueadas, nariz fino, sorrisos congelados, testas que se mexem de jeito nenhum. As pessoas não aceitam mais os defeitos, os fios de cabelos brancos, as pequenas ruguinhas, a gordurinha. Todo mundo quer ser perfeito, custe o que custar, deixam de estudar, viajar, comprar livros, deixam de fazer qualquer coisa para pagar as caríssimas melhorias, arriscam a vida, arriscam a própria personalidade.

Uma coisa é cuidar de si mesmo com carinho, outra coisa é essa obsessão pela perfeição que estamos vivendo.
Não, esse futuro não é distante.
Fica a dica de livro e a reflexão: Ser perfeito deve ser muito chato!



Trechos, Frases, Citações

"A natureza, afinal, não precisava de uma operação para ficar linda. Ela simplesmente era. "