domingo, 19 de junho de 2011

Se divertir nas tentativas



Tento ler um livro mas o pensamento voa, não consigo me concentrar, estou cheia de questionamentos. Sinto necessidade de escrever sobre o sentido da vida e mais um monte de questões filosóficas que nos atormentam. Minha filha de 8 anos chega toda eufórica: “Mâe! Tem sol! Posso tomar banho de piscina?”
Eu respondo que tem sol mas estamos no inverno e que a água está gelada. Ela insiste. Eu deixo. Logo depois ouço os gritinhos dela. Olho da varanda. Ela ta na piscina, na escada da piscina com a água quase na cintura. A água está gelada demais e ela não consegue mergulhar.
Ela sempre faz isso, aí fica com a parte do corpo que consegue na água e joga mais água para cima brincando, molha descaradamente os cabelos, dá gritinhos como se os gritos fossem encorajá-la a pular.
Ela nunca pula quando a água esta fria. Mas ela sempre tenta. Acho até que ela se diverte nas tentativas.
Penso sobre “Se divertir nas tentativas”. Começar coisas sem se preocupar em ir até o final, ir até onde puder, e mesmo assim se divertir muito.
Desço e tiro uma foto. Já não preciso escrever sobre o sentido da vida.


12 comentários:

  1. Adorei sua observação! Realmente, né...se nos preocupássemos mais em aproveitar o durante e no que a tentativa em si nos traz, seríamos mais felizes!
    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  2. Coisa linda!!!!! É este sentido da que nos faz seguir adiante, abandonar as frescuras frívolas da vida, ter coragem.... Deus, como é bom qdo conseguimos enxergar a "beleza e encantamento" na simplicidade..... Beijos e me convide sempre a estar por aqui.. Lindo tudo. Beijos de algodão doce...

    ResponderExcluir
  3. Quero a liberdade de “Se divertir nas tentativas”...

    Isso é muito bom!!

    ResponderExcluir
  4. Sentir-se vivo pode ser a mais doce obsessão do ser e do estar.

    ResponderExcluir
  5. Me emocionei...
    --
    [No momento, estou me divertindo numa tentativa...você sabe.]
    Quero aprender a fazer isso cada vez melhor na vida, sem medos! Sem medos!

    ResponderExcluir
  6. Hoje foi um dia de água gelada e sem sol, não havia porque pular. Eu sabia que não. E eu pulei. Doeu o frio. Congelei. Mas aprendi. Estou esperando o sol, amanhã.

    ResponderExcluir
  7. Amiga, poucas vezes vi um relato do cotidiano e do trivial cheio de tanta reflexividade... achei demais... lindo...

    Aliás, como tudo que você faz: REPLETO DE ALMA!

    Belo mergulho!

    ResponderExcluir
  8. Muito legal, muito divertido e sério e bacana seu blog. Eu vivo me divertindo tbm, mas sempre caio na piscina e dou de cara n'água fria, rsrs #fazparte

    ResponderExcluir
  9. Muito bem!!! Acho que vc resumiu o "não sentido" da vida! rsrsr

    Eu creio nisso e venho vivendo assim já há um tempo, me divertir até onde eu chego sem precisar me preocupar com a meta. Inclusive a morte, se ela me tirar da brincadeira agora está tudo bem, tudo certo e perfeito!

    Certas coisas devíamos trazer da infância e o que vc descreveu é uma delas.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Lindo ...adorei, precisamos fazer isso , mas nossa rotina nos oprime, acabamos sem tentar e a infância se diverte nas tentativas

    ResponderExcluir
  11. Quanta ternura há no bem querer, nos gestos simples, na piscina, na menina e no riso...

    =)

    ResponderExcluir